Presidente do TCU recebe título de Cidadão Honorário de Brasília

30 de maio de 2018

O presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Raimundo Carreiro, recebeu nesta quarta-feira (30), o título de Cidadão Honorário de Brasília. O maranhense, que tem fortes laços com o DF, onde inclusive estudou, foi homenageado em uma sessão solene da Câmara Legislativa do Distrito Federal, realizada no auditório daquela corte.

“As suas ações têm contribuído de forma positiva para a consolidação das instituições republicanas, na defesa de toda a sociedade brasileira, e para o fortalecimento da nossa democracia”, declarou o deputado distrital Cristiano Araújo (PSD), de quem partiu a ideia da concessão da honraria. “A trajetória do ministro Carreiro e sua ligação com Brasília o habilitaram ao título”, completou o parlamentar.

Representantes dos três poderes do Distrito Federal, além de autoridades federais, participaram da cerimônia. Entre eles, o presidentes da CLDF, deputado Joe Valle (PDT), o governador Rodrigo Rollemberg e o presidente do TJDFT, desembargador Romão Cícero de Oliveira, além de ministros do TCU e deputados distritais.

Currículo – Nascido na cidade de Benedito Leite, Raimundo Carreiro Silva foi servidor do Senado Federal até a aposentadoria em 2007, ano em que foi nomeado para ocupar uma vaga no TCU. Ele chegou a exercer o cargo eletivo de vereador, entre 1990 e 1992, em São Raimundo das Mangabeiras (MA) e integrou o Conselho Consultivo da Anatel. Em Brasília, onde concluiu o ensino superior no Uniceub, estudou nos estabelecimentos públicos de ensino Setor Leste, Caseb e Elefante Branco.

Com longa experiência no Senado, onde exerceu diversas funções, incluindo a de secretário-geral da Mesa Diretora, Carreiro atribui a esse fato a indicação do seu nome para integrar a principal corte de contas do país: “A vivência naquela Casa foi enriquecida pela participação, como servidor público, em momentos relevantes para o ordenamento jurídico-constitucional do país, como a elaboração da Constituição Federal de 1988”.

“Esses quarenta anos dedicados ao serviço público, ensinaram-me a respeitar todos os aspectos legítimos da Administração Pública, desde a gestão dos grandes orçamentos e projetos nacionais até o reconhecimento dos direitos constitucionais do mais humilde cidadão”, afirmou ao comentar sua ida para o Tribunal de Contas, sobre o qual complementa: “O dever constitucional do TCU não se restringe à proteção do erário e dos interesses da União. Ele se plenifica na defesa de toda a sociedade brasileira”.

Fonte: Marco Túlio Alencar
Comunicação Social – Câmara Legislativa

 



COMENTÁRIOS




Notícias recentes