Grupo de mulheres anuncia apoio a Ibaneis Rocha

24 de outubro de 2018

Um grupo de mulheres ligadas a políticos do Distrito Federal realiza, nesta terça-feira (23/10), um almoço para declarar apoio ao candidato emedebista ao Palácio do Buriti, Ibaneis Rocha. Liderado por Sylvana Roriz, esposa do ex-deputado distrital Paulo Roriz (sem partido), e por Lourdinha Araújo, mãe do deputado distrital Cristiano Araújo (PSD), elas receberão o postulante na Trattoria do Rosário, no Lago Sul.

Além do apoio, as participantes vão entregar uma carta de compromissos com políticas públicas voltadas às mulheres a serem implementadas em um eventual governo. Apesar de terem candidatos próprios em suas coligações — Cristiano estava na coligação de Rogério Rosso (PSD) e Paulo Roriz, de Alberto Fraga (DEM) — os dois caminharam com Ibaneis desde o início da campanha no primeiro turno.

Fonte: Site Metrópoles

CARTA DE COMPROMISSOS

Políticas públicas voltadas às mulheres, crianças e adolescentes,
a serem implementadas no governo Ibaneis Rocha

Estes compromissos, assumidos pelo governador Ibaneis Rocha, como contribuição de mulheres ligadas em política, representadas por Lourdinha Araújo e Sylvana Roriz, consideram a diversidade das mulheres, atentando para a existência de deficiências, de diferentes orientações sexuais e faixas etárias, entre outras características que precisam ser levadas em consideração e respeitadas.

1 – Aprimorar a legislação – em parceria com a Câmara Legislativa e outras instituições, como o Ministério Público do DF, a OAB/DF, Defensoria Pública do DF e entidades representativas de defesa das mulheres – e mecanismos que resguardem e ampliem direitos e proteção social da mulher, tão vitimizada e desrespeitada atualmente.

2 – Incentivar a participação ativa de mulheres no processo decisório de formulação, implementação e controle das políticas públicas voltadas para o atendimento das necessidades das mulheres no âmbito do Distrito Federal.

3 – Implantar Delegacias da Mulher em todas as Regiões Administrativas.

4 – Atendimento humanizado nos postos de saúde e hospitais, das mulheres vítimas de violência sexual, com a acesso a profilaxia de DST/AIDS e a gravidez.

5 – Ampliação das licenças maternidade e paternidade para servidoras e servidores.

6 – Zelar pelo cumprimento da Lei de Acompanhante (Lei 11.108/2005) durante o trabalho de parto, parto e pós-parto nas maternidades.

7 – Prestar serviços mais humanizados de pré-natal, parto e pós-parto na rede de saúde pública e ampliação de programas de combate à mortalidade materna, com o objetivo de zerar esse porcentual, ainda existente na capital da República.

8 – Combate efetivo e rigoroso à exploração sexual de crianças e adolescentes.

9 – Fortalecimento e ampliação da rede distrital de equipamentos de atendimento às mulheres vítimas de violência, como casas abrigo e centros especializados de atendimento.

10 – Ampliação da rede de creches e de escolas de tempo integral.

11 – Defesa dos direitos das mulheres de orientação sexual diversa, garantindo serviços especializados de atendimento nas áreas de saúde e proteção.

12 – Políticas públicas que visem a garantia dos direitos das mulheres encarceradas.

13 – Garantia de uma educação não sexista, sem ideologia de gênero, mas promovendo o enfrentamento aos estereótipos e discriminações.

14 – Criação de vagas para mulheres em situação de vulnerabilidade social em programas públicos de formação e inserção no mercado de trabalho.

15 – Criar campanhas de combate à LGBTfobia, destacando a violência específica direcionada a mulheres lésbicas e bissexuais, além de fortalecer o respeito e a aceitação das pessoas transexuais.

16 – Propor e fiscalizar os orçamentos destinados às políticas públicas para as mulheres, em especial, aos equipamentos de atendimento às mulheres vítimas de violência, creches, serviços de saúde, entre outros.

Brasília, 23 de outubro de 2018.



COMENTÁRIOS




Notícias recentes